Como ser um CEO / C-level saudável? 12 lições sobre saúde mental!

como ser um ceo saudável
Mais terapias de Rodrigo Roncaglio
5/5 - (2 votos)

É preciso falar sobre saúde no trabalho! CEOs e C-Levels são posições de alto risco, pressão e desgaste. E buscar um estilo de vida mais saudável para lidar com isso se tornou essencial.

Como CEO, escrevo esse artigo de coração, pois espero que possa ajudar você que está precisando de ajuda.

Sou Rodrigo Roncaglio, CEO do Guia da Alma – a solução completa para a Saúde Mental no trabalho. Boa leitura!


A Saúde dos CEO / C-Levels

A Saúde dos CEO / C-Levels

Foto: StudioVK – Envato

C-Levels são cargos de liderança iniciados sempre com a palavra chief (ou diretor), sendo tanto os fundadores da empresa quanto executivos seniores mais altos.

A função principal de uma pessoal em cargo C-Level é pensar em estratégias para que a sua diretoria possa prosperar, como expandir no mercado, aumentar a competitividade, entre outros.

Um cargo de muita responsabilidade e pressão, certo? É aí que entra a saúde mental!

Se você é CEO ou C-level de uma empresa, como primeiro passo, vamos revisar tudo que você talvez você esteja fazendo em um único dia:

Existem diversos tipos de C-Level e diferentes desafios.

Um CEO (Chief Executive Officer), por exemplo é o diretor executivo de uma empresa, sendo responsável pela criação de planos estratégicos de ação para que a empresa possa prosperar, como:

  • Manter os colaboradores engajados com os objetivos da empresa;
  • Levantar capital para aprimorar o negócio, e nutrir relacionamento com investidores;
  • Visualizar o futuro do negócio e traçar ações estratégicas;
  • Fazer projeções e análise de métricas, entre outros.

Muitas vezes o(a) CEO de uma empresa, também é fundador(a), e a pressão de sentir que a sobrevivência do negócio está sem suas mãos é desgastante!

CEOs como Steve Jobs (Apple) e Jeff Bezos (Amazon) revolucionaram o mercado e tiveram histórias de sucesso.

Porém, no dia a dia, ser CEO e fundador é abdicar de um emprego seguro, para empreender em um terreno totalmente desconhecido. Ao menos, é assim que eu me sinto!

Além do CEO existem muitos C-Levels dentro de uma empresa.

Minha sócia, Liana, por exemplo, além de co-fundadora comigo é também CMO (Chief Marketing Officer). E é um cargo igualmente cheio de desafios, responsabilidades e pressão.

Como CMO, ela é responsável pelo fortalecimento da marca da empresa e sua posição no mercado, planejamento ações estratégicas, analisando métricas, lançando campanhas, identificando cenários de oportunidades e ameaças, e muito mais!

Além de todas as funções de alta responsabilidade, um C-Level também deve gerir uma equipe e setor, tendo a figura de um verdadeiro líder!

“As lideranças precisam entender que cuidar das pessoas não é um trabalho apenas do RH, mas sim uma ação estratégica e essencial para a sustentabilidade do negócio. Todo líder é um líder de pessoas e por isso é responsável por elas.” Lídia Abdalla, CEO do grupo Sabin

Tantas funções importantes atribuídas a uma pessoa podem gerar sobrecarga de trabalho e até mesmo síndrome de burnout-CID. Tendo isso em vista, é preciso ficar claro que para ser uma liderança saudável é necessário, antes de cuidar dos outros, cuidar de si mesmo.

Segundo Vicky Block (mentora de alguns dos principais CEOs do Brasil), os diretores executivos estão estressados demais, quase à beira do Burnout, sendo algumas das principais razões para isso, os novos cenários do trabalho híbrido e remoto, as pressões do conselho e equipe.

Essa pressão, por sua vez, é sempre maior para uma liderança, que muitas vezes preza por cuidar dos colaboradores e renega o autocuidado.

Quando isso acontece, a produtividade e motivação sofrem os impactos da sobrecarga emocional gerada por, também, conflitos internos, como:

Como ser um bom CEO e C-Level? Urge, portanto, a necessidade de frisar o cuidado com a saúde mental e física para que os líderes alcancem o bem-estar individual.

Como afirmou a ginasta Simone Biles, após sua saída da competição final das equipes olímpicas de Tóquio (2020):

“Também temos que nos concentrar em nós mesmos, porque, no final das contas, também somos humanos. Então, temos que proteger nossa mente e nosso corpo, em vez de simplesmente sair e fazer o que o mundo quer que façamos.”

O líder diariamente encontra situações que podem afetar seu equilíbrio emocional e mental, como por exemplo: a perda de clientes, resultados abaixo do esperado, desligamento de colaboradores-chave, entre outros.

Muitas vezes, diante de desafios: um C-Level acaba escondendo seus sentimentos e emoções para não se mostrar vulnerável diante da equipe. Ou coloca o trabalho em primeiro lugar para conseguir alcançar as metas!

Em entrevista para a Valor – Globo de 2021, o CEO da Cisco admitiu:

“Senti um medo terrível de contar que estava com burnout” Laércio Albuquerque

Laércio precisou se afastar, temporariamente, para cuidar de sua saúde mental.

Por isso, nunca é demais alertar que líderes também precisam de cuidados. O líder também precisa de momentos de descanso, hobbies e… terapia!

O que precisa para ser um CEO equilibrado? Lili Reinhart, atriz e escritora, afirma:

“Lembrete amigável para quem precisa ouvir: terapia nunca é algo de que se envergonhar. Todos podem se beneficiar ao consultar um terapeuta. Não importa a idade ou o orgulho que você esteja tentando ter.”

Helton Freitas, CEO da Unimed Seguros, enfatiza a solidão do papel do líder:

“O conteúdo cognitivo do trabalho é muito pesado e frequentemente os C-levels não têm pares com os quais dividir essa carga. Frequentemente esses executivos enfrentam quadros de ansiedade, de estresse e de depressão, e isso é uma questão especialmente sensível em momentos de incerteza.”

Além disso, para cuidar de uma empresa e de outras pessoas, como a equipe de colaboradores, é preciso cuidar antes da própria saúde mental. Aquele ditado de colocar a máscara de oxigênio em si antes de colocar nos outros, sabe?

Caso contrário, alguns problemas podem ficar nítidos em uma liderança despreparada. São os também chamados líderes heróis, ou seja, os centralizadores. Nesse cenário, podemos perceber algumas características:

  • Microgerenciamento;
  • Dificuldade em aceitar que errou;
  • Pouca inteligência emocional;
  • Acredita sempre ter todas as respostas;
  • Entre outros.

Essas características, se presentes na liderança, podem afetar tanto o desenvolvimento da equipe quanto a prosperidade da empresa como um todo.

É C-Level e se identificou com esses pontos? Calma, é possível mudar esse cenário.

O primeiro passo é entender o porquê:

C-Levels: Sinais que você precisa descansar

C-Levels: Sinais que você precisa descansar

Foto: YuriArcursPeopleimages – Envato

Alguns sinais evidentes que um C-Level precisa rever sua rotina ehábitos são:

  • Mau humor constante, impaciência e raiva com seus liderados;
  • Insônia, ou então noites ruins de sono. Acorda com a sensação de cansaço e exaustão!
  • Imunidade baixa: está sempre doente;
  • Corpo tenso e dolorido;
  • A memória e concentração não são mais as mesmas! A mente está um misto de excesso de pensamentos e desânimo;
  • A sensação é de sobrecarga constante: o mundo está em suas costas e as listas de coisas para fazer são intermináveis!

C-Levels, Burnout e esgotamento

C-Levels, Burnout e esgotamento

Também é preciso atentar para o bem-estar mental pois, em estado mais grave, pode-se chegar à síndrome de burnout-CID, distúrbio emocional causado pela sobrecarga de trabalho.

Alguns dos principais sintomas dessa síndrome são:

  • Exaustão mental e física;
  • Mal estar, como dores de cabeça e tremores;
  • Colocar o trabalho antes nas necessidades pessoais;
  • Incapacidade de se desligar do trabalho, estando sempre online e fazendo horas extras;
  • Insegurança e sentimento de fracasso e incompetência.

Cláudio Hermolin, CEO da Brasil Brokers, foi diagnosticado com a doença. Em entrevista para a Exame em 2021 comentou:

“Essa é uma doença que vem de maneira silenciosa, diferente de questões do resto do corpo, como uma dor muscular, por exemplo. As questões da cabeça não têm bem uma sinalização. Simplesmente acontecem.

E acontecem quando não há equilíbrio entre o lado pessoal e o do trabalho.

No meu caso, foi num dia de trabalho como qualquer outro. Já estávamos em pandemia, e eu estava sozinho no escritório. Comecei a sentir calafrios, formigamento nas extremidades do corpo, visão turva e sensação de que iria desmaiar sentado na cadeira.

Nunca tive isso e comecei a me assustar. Pensei que fosse falta de alimentação ou hidratação.

Levantei para tomar uma água e sair para comer algo. Mas a perna ficou bamba. A cabeça começou a dominar a situação. Automaticamente comecei a pensar que estava prestes a ter um ataque cardíaco. Sentei de volta e liguei para meu médico.”

Antes de mais nada, é necessário admitir que a sobrecarga de trabalho é uma questão entre a posição de liderança. Para que não haja sequelas graves, é preciso haver, portanto, o equilíbrio entre vida profissional e vida pessoal.

Cláudio Hermolin continua:

“Passei a fazer o exercício de estabelecer limites. Fiz uma terapia específica para a síndrome de burnout. Passei a fazer meditação e a procurar outras formas para trabalhar a mente.

Todo mundo se olha no espelho e busca fazer exercícios para o corpo. Mas o que é feito para exercitar a mente? Quase nada.

Hoje, todas as vezes em que me vejo sob pressão, relembro da minha história e digo:

‘Opa, vamos parar, acalmar, segurar a onda e exercitar os limites’.

Viramos seres insaciáveis para estar conectados 24 horas por dia. É muito simples pegar o celular e ler uma mensagem no email ou no WhatsApp, ler as notícias. É um bombardeio de informações o tempo inteiro, o que torna mais difícil o ato de se desligar. Isso consome a capacidade mental. É preciso um exercício para se reenergizar.”

Requisitos para ser um CEO saudável: cuidar da própria saúde mental!

Lembre de cuidar de si, estabelecendo limites para suas tarefas, sempre lembrando das suas relações na família, amigos, entre outros. Autocuidado é essencial.

Como se tornar um CEO / C-level saudável: 12 lições sobre saúde mental

Como se tornar um CEO / C-level saudável: 12 lições sobre saúde mental

Foto: Prostock-studio – Envato

Segundo pesquisa realizada pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz):

  • Durante a pandemia, sintomas de ansiedade e depressão afetaram a saúde mental de quase 50% dos profissionais no Brasil;
  • Quase 31% desses profissionais afirmaram ter sido diagnosticados com algum problema mental, como TAG (Transtorno de Ansiedade Generalizada) e depressão.

Já o Estadão, em 2021, revelou, em pesquisa, que mais da metade da população no país (53%) afirma que a saúde mental piorou ao longo do ano.

Nas lideranças, 63% afirmaram ter sintomas de ansiedade e 47% declararam estar muito estressados (Robert Half & The School of Life).

Porém, um ponto positivo é que a alta liderança está cada vez mais envolvida com os projetos de bem-estar promovidos pelas suas empresas, e isso vem dando bons resultados.

Segundo uma matéria da Valor Econômico de 2022, e pesquisa da Deloitte:

“Executivos que praticam atividades ligadas ao equilíbrio físico e mental se mostraram capazes de apontar com mais facilidade novas maneiras de liderar equipes em uma agenda sobre o tema.”

É importante que o líder se posicione não só no discurso, mas também dando o exemplo.

Então, como ser um CEO de sucesso, um C-level saúdavel, um líder inpirador? Veja algumas dicas para cuidar da saúde mental:

1. Busque o autoconhecimento e autocuidado: liderança

1. Busque o autoconhecimento e autocuidado: liderança

Líderes que buscam autoconhecimento, entendem seus pontos fortes e aqueles a melhorar.

Assim, desenvolvem autoconfiança e conseguem administrar a equipe de colaboradores com mais resiliência.

Além disso, o autoconhecimento permite o desenvolvimento da inteligência emocional no trabalho e a possibilidade de lidar com a pressão.

Para isso, é importante investir em terapia, reservando um momento para seus hobbies e outras atividades que tragam prazer para além do trabalho.

A saúde mental, assim como a física, também é uma questão estratégica dentro das organizações. O exemplo pode partir de você: busque terapias para desenvolver o autoconhecimento e promova isso dentro da sua empresa.

Sobre estabelecer e incentivar o cuidado com a saúde mental dentro das empresas, Mariana Holanda, diretora de saúde mental da Ambev, pontua:

“O caminho é longo. Não é algo que vai ser uma modificação de uma hora para a hora, só criando uma diretoria como a minha. Internalizar esses novos valores vai levar um tempo. A estratégia da área tem os dois pilares: conhecimento e cultura.”

2. Invista em capacitações e treinamentos

2. Invista em capacitações e treinamentos

Geralmente focamos em capacitações que focam em hard skills, ou seja, conhecimento técnico.

Mas fazer mentorias, cursos, treinamentos e workshops que ajudam a desenvolver a educação emocional, é um ponto necessário para o autocuidado.

Para tomar decisões dentro e fora do trabalho, os líderes precisam prezar pelo bem-estar emocional.

As capacitações ajudam a desenvolver soft skills necessárias para cuidar de uma empresa, como: inteligência emocional, resiliência e empatia.

3. Como ser o CEO de uma empresa saudável: invista em ESG

3. Como ser o CEO de uma empresa saudável: invista em ESG

Priorize uma gestão que engloba o todo dentro da empresa. Para isso, saiba mais sobre ESG nas empresas:

O termo ESG  surgiu pela primeira vez em um relatório intitulado “Who Cares Wins”. Uma iniciativa da Organização das Nações Unidas (ONU) com o intuito de determinar critérios e encorajar empresas a adotar políticas de responsabilidade sociais e ambientais.

Entenda a sigla:

  • E: Enviroment (meio ambiente);
  • S: Social (relativo ao bem-estar dos colaboradores e questões sociais da comunidade);
  • G: Governance (governança).

Investir em ESG nas empresas é incentivar ações, como:

  • Investir no bem-estar dos colaboradores, criando um ambiente de trabalho saudável;
  • Ter diversidade e inclusão;
  • Ter posicionamento e ações a favor dos direitos humanos, sustentabilidade e ética;

Cuidar da saúde mental dos colaboradores está diretamente ligada ao S da sigla ESG.

Em poucas palavras: o objetivo do ESG é óbvio: é preciso focar na consciência ambiental, governamental e social para que a empresa cresça em seus aspectos econômicos.

4. Seja essencialista

4. Seja essencialista

“Mais produtividade, menos estresse, mais alegria”.

Greg McKeown – escritor do livro “Essencialismo: A disciplinada busca por menos”

Faça menos e melhor: trabalhar de forma essencialista é entender a diferença entre o desnecessário e o indispensável.

Invista a sua energia e tempo apenas ao que é essencial e o seu desempenho e motivação irão subir consideravelmente.

5. Medite

5. Medite

A meditação é uma grande ajuda em questões relacionadas ao estresse e ansiedade no trabalho:

Roberto Funari (CEO – Alpargatas) e Altair Rossato (CEO – Deloitte) utilizam a meditação enquanto ferramenta para lidar com crises de ansiedade derivadas de traumas experienciados na pandemia.

Funari afirma que a meditação tem sido um grande alimento para a sua alma e saúde mental. Já Rossato complementa:

“Pratico a meditação transcendental por 22 minutos toda manhã e final de tarde. O dia que não faço me sinto mais ansioso”.

Acha que meditação é “papo de maluco”? Empresários famosos como Oprah Winfrey, Warren Buffet, Andrew Cherng, Richard Branson e Jack Dorsey meditam diariamente para cuidar de sua saúde mental e focar em suas metas profissionais.

Winfrey afirma que pratica a técnica ao menos uma vez ao dia, durante 20 minutos, e afirma que a meditação está diretamente relacionada à sua:

  • Qualidade de vida;
  • Eficiência no trabalho;
  • Sensação de paz.

O bilionário Warren Buffett (CEO – Berkshire Hathaway) é mais um dos que focam na mente e no corpo para garantir o seu equilíbrio e bem-estar:

“Você tem apenas uma mente e um corpo. E isso tem que durar a vida inteira. Agora é muito fácil deixá-lo viajar por muitos anos. Mas, se você não cuidar do corpo e da mente, eles vão naufragar 40 anos depois”.

Mark Bertolini (CEO – Aetna) é mais um que decidiu implementar, em sua empresa, benefícios para os funcionários em forma de yoga e meditação. De acordo com pesquisas da instituição, os resultados foram:

  • Diminuição de 28% no estresse dos funcionários;
  • Melhora na qualidade do sono;
  • Queda em queixa de dores físicas;
  • Ganho de 62 minutos (por pessoa) por semana em produtividade;
  • Economia de mais de 3 mil dólares por funcionário ao ano;
  • Diminuição de despesas médicas por parte da empresa;
  • Entre outros.

Esses benefícios também percebemos em nossos clientes que fazem práticas de Meditação com a equipe. Tem interesse?

6. Equilibre a vida pessoal e profissional

6. Equilibre a vida pessoal e profissional

Use a teoria do fogão de 4 bocas, criada pelo coach James Clear, onde ele afirma que as prioridades da vida são como as bocas de um fogão:

  • A primeira boca é a família;
  • A segunda é a sua vida social;
  • A terceira é a sua saúde;
  • A quarta é o seu trabalho.

Para alcançar o equilíbrio entre elas, uma das chamas deve estar muito baixa ou desligada e se quiser ser bem sucedido precisa desligar duas delas. Tenha um plano de vida pessoal e profissional atentando-se a todas as bocas.

Isso quer dizer que você precisa focar a sua atenção em alguns pilares e entender que nunca as quatro bocas estarão com a sua chama no máximo!

7. Mantenha vínculos sociais

7. Mantenha vínculos sociais

A questão aqui é manter vínculos sociais para além do trabalho, não estou falando de networking!

Ter contato com pessoas queridas, como família e amigos, é essencial para aumentar a felicidade e afastar a solidão.

8. Tenha hobbies além do trabalho

8. Tenha hobbies além do trabalho

Se você trabalha de casa ou em trabalho híbrido, aproveite a flexibilidade de horário para passar um tempo com a sua família e amigos após o expediente e fugir um pouco do estresse do dia.

Você não precisa pegar um ônibus ou dirigir um carro após encerrar o expediente: que tal aproveitar esse tempo livre para se dedicar a algum projeto seu que precisa de mais cuidado?

Procure ter uma rotina pessoal além do trabalho no seu dia e planeje seu horário de maneira equilibrada.

Segundo entrevista da CEO do Gympass, Priscila Siqueira, um fim de semana ideal tem:

“Sair com a minha família. Fazer qualquer atividade ao ar livre: parque, bicicleta, praia.”

Na reportagem “CEOs contam o que fazem para desconectar” de 2021 da Valor Econômico, CEOs contam seus principais hobbies nas horas vagas:

  • Eric Santos da Resultados Digitais é piloto de kart.
  • Liel Miranda da Mondelez Brasil, recorre à equoterapia;
  • Tijana Iancovic da Rappi no Brasil recorre a passeios na natureza;
  • Rodrigo Osmo da Tenda recorre à leitura para foco e alívio da ansiedade.

9. Estabeleça limites e horários

9. Estabeleça limites e horários

Uma vantagem do home office é a possibilidade de ter um horário de trabalho mais flexível, mas isso não significa que você não deva manter horários fixos para iniciar e finalizar suas horas diárias de atividades.

Da mesma forma que você precisa estabelecer uma hora para comer e dormir, mantenha precaução com o tempo de trabalho, tendo controle sobre o início e o fim do expediente, com uma adequada quantidade de horas diárias trabalhadas.

Durante o expediente é indicado realizar pausas no trabalho, para gerenciar o seu tempo de forma mais saudável. Uma dica é a utilização da Técnica de Pomodoro, que consiste em estabelecer tempos delimitados para atenção total e para pausas.

É uma estratégia desenvolvida por Francesco Cirillo, um italiano que estudava a possibilidade de aumentar a produtividade durante momentos de foco.

A técnica de Pomodoro estabelece que é preciso:

  • Ter atenção total durante uma atividade por 25 minutos com uma pausa posterior de 5 minutos.
  • Após duas horas deve-se realizar uma pausa de 15 e 30 minutos.

Além disso, tenha noção de quanto tempo você está trabalhando. Registre a quantidade de horas que você está no expediente e organize as suas funções pessoais e profissionais dentro de um tempo estipulado diariamente.

Durante o trabalho utilize as ferramentas tecnológicas a seu favor: você pode monitorar a sua produtividade para combater a procrastinação ou para organizar o seu dia de trabalho.

Mas mantenha a regra de não utilizar redes sociais durante o expediente para não afetar as suas atividades, ao mesmo tempo em que você não deve ceder à tentação de espiar as mensagens do trabalho no fim de semana.

Tudo tem o seu tempo e horário!

10. Pratique atividades físicas

10. Pratique atividades físicas

Para atingir a harmonia entre vida pessoal e profissional é preciso não negligenciar a saúde física.

Realize exames de rotina para ver como anda a sua pressão, colesterol, entre outros.

Além disso, não deixe o excesso de trabalho interferir em sua agenda: reserve um tempo para seu check-up periódico e para implementar, em sua rotina, exercícios físicos.

Na rotina do trabalho à distância, muitas vezes optamos pelo sedentarismo. Isso significa passar a semana inteira sem sair de casa sem se exercitar nenhum dia na semana!

Realize caminhadas curtas diárias, nem que seja para dar uma volta no bairro.

Com o tempo você pode ir acrescentando atividades físicas à sua rotina, como uma corrida, por exemplo.

Fábio Coelho (CEO do Google) começa o dia cedo no trabalho, depois anda na praia e surfa. Pablo Fava, CEO da Siemens, tem como exercício e a corrida diária na rua para “pensar e refletir”.

11. Faça terapia!

11. Faça terapia!

Você não precisa dar conta de tudo sozinho.

Se você se sente sobrecarregado, opte pelo diálogo!

Converse com amigos, familiares e, claro, procure ajuda especializada. Busque profissionais para conversar sobre o seu caso, não há vergonha nenhuma em pedir ajuda!

12. Seja um exemplo!

12. Seja um exemplo!

Por fim: seja um exemplo de CEO e C-Level saudável para sua equipe, começando por você.

E também oferecendo benefícios para que sua equipe se sinta motivada!

É fato! O relatório intitulado “Tendências Globais de Capital Humano” da Deloitte, mostrou que 61% dos profissionais confirmam que programas de saúde corporativa e bem-estar nas empresas aumentam a produtividade e resultados financeiros.

Um ambiente de trabalho seguro garante um trabalhador saudável!

Agora que você já sabe dicas especiais para cuidar da saúde mental dos líderes na empresa e como as práticas integrativas fazem a sua empresa crescer, conte conosco!

O Guia da Alma oferece soluções em saúde mental para a sua empresa:

  • Plataforma de terapia complementar online;
  • Mapeamento de saúde mental;
  • Práticas de descompressão e palestras para a equipe;
  • Dados para o RH
  • E mais!

Vamos juntos?

Mentalidade vencedora: 10 estratégias de Saúde Mental para CEOs de alta performance

5/5 - (2 votos)

Fundador e CEO do Guia da Alma. Especialista em Saúde Mental corporativa. Especialista em Terapias Complementares. Palestrante e Instrutor de Meditação Mindfulness para Empresas.

AGENDAR!

6 práticas indispensáveis e acessíveis para criar uma cultura saudável!