Como ajudar alguém com depressão CID-F no trabalho?

Dicas e estratégias para lidar com a depressão no ambiente de trabalho.
depressao-cid
Mais terapias de Rodrigo Roncaglio
5/5 - (1 voto)

A depressão CID-F é uma condição de saúde mental que afeta milhões de pessoas em todo o mundo, e seus impactos se estendem para além dos limites da vida pessoal.

Depressão é considerada a doença do século pela OMS. O Brasil é o país com mais casos da América Latina: são 11,5 milhões de brasileiros que sofrem com a doença.

A depressão é uma das principais causas de incapacidade e afastamento no trabalho, podendo gerar danos, tanto para a integridade do colaborador, como da empresa.

No ambiente de trabalho, colaboradores que enfrentam a depressão CID podem experimentar desafios significativos que afetam não apenas sua própria produtividade e bem-estar, mas também a dinâmica e o desempenho da equipe e da organização como um todo.

Por isso, no artigo da semana vamos entender como reconhecer os sintomas e ajudar alguém com depressão no ambiente de trabalho.

Aqui você encontra formas de como apoiar eficazmente um colega ou funcionário que enfrenta a depressão no ambiente de trabalho, explorando estratégias, dicas e recursos para fornecer o suporte necessário enquanto promove um ambiente de trabalho saudável e compreensivo.

Ao compreender as melhores práticas para auxiliar pessoas com depressão CID no contexto profissional, podemos contribuir para a construção de locais de trabalho mais empáticos, inclusivos e produtivos.

Sou Rodrigo Roncaglio, CEO do Guia da Alma: plataforma de saúde mental para empresas e pessoas. Boa leitura!


O que é o CID 10?

O que é o CID 10

Foto – DC_Studio – Envato

A Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde, mais conhecida como CID-11, é uma classificação de doenças e outros problemas de saúde criada pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

O CID-11 é uma ferramenta amplamente utilizada em todo o mundo para codificar e categorizar diferentes condições médicas e de saúde.

Ele é usado em hospitais, clínicas, sistemas de saúde pública e em pesquisas médicas para padronizar a comunicação sobre doenças e problemas de saúde.

O CID organiza as doenças e condições de saúde em códigos alfanuméricos, permitindo que profissionais de saúde, pesquisadores e autoridades de saúde acompanhem e relatem estatísticas sobre a ocorrência de doenças, mortalidade e morbidade.

Isso é fundamental para a vigilância epidemiológica, a pesquisa médica, a alocação de recursos de saúde e o planejamento de políticas de saúde.

Cada código no CID se refere a uma condição médica específica e fornece informações detalhadas sobre essa condição, incluindo a sua descrição, critérios de diagnóstico e outras informações relevantes.

A CID-11 é uma ferramenta importante para a padronização e a melhoria da qualidade dos cuidados de saúde em todo o mundo.

O CID também é relevante para empresas, pois classifica quais são as síndromes e doenças do trabalho que trazem riscos para colaboradores e empresas. Uma das mais novas doenças ocupacionais é a Síndrome de Burnout, que entrou para a lista em 2022 no CID-11.

CID F: entenda os transtornos mentais e comportamentais

CID F entenda os transtornos mentais e comportamentais

O termo “CID F” não é uma categoria oficial na Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde (CID-10).

A CID-10 utiliza uma codificação alfanumérica para classificar transtornos mentais e comportamentais na seção F.

Essa seção abrange uma ampla gama de condições de saúde mental, incluindo transtornos psiquiátricos, distúrbios emocionais e distúrbios comportamentais.

Alguns exemplos de códigos CID-10 na seção F incluem:

  • F32 – Episódio depressivo;
  • F41 – Transtornos de ansiedade generalizada;
  • F10 – Transtornos relacionados ao uso de álcool;
  • F20 – Esquizofrenia;
  • F90 – Transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH).

Cada código na seção F representa uma categoria específica de transtorno mental ou comportamental e inclui critérios diagnósticos e descrições detalhadas dessas condições.

Essa classificação é usada por profissionais de saúde mental para diagnosticar, tratar e acompanhar transtornos mentais e comportamentais.

É importante lembrar que a CID-10 é uma classificação internacionalmente reconhecida, mas pode haver atualizações ou revisões na classificação ao longo do tempo.

Portanto, é fundamental consultar a versão mais recente da CID ou a classificação em uso em sua região para obter informações atualizadas sobre transtornos mentais e comportamentais.

O que é depressão CID-F?

O que é depressão CID-F?

Foto – DC_Studio – Envato

A depressão CID-F, também conhecida como transtorno depressivo maior, é uma condição de saúde mental que afeta o estado emocional, o pensamento e o comportamento de uma pessoa.

Infelizmente, é uma das condições de saúde mental mais comuns em todo o mundo.

A depressão CID é caracterizada por uma sensação persistente de tristeza, desesperança e falta de interesse ou prazer em atividades que antes eram consideradas agradáveis.

Os sintomas da depressão podem variar de pessoa para pessoa, mas geralmente incluem:

  • Humor deprimido: sentimento persistente de tristeza, vazio ou melancolia;
  • Perda de interesse ou prazer: siminuição do interesse em atividades que costumavam ser gratificantes;
  • Fadiga e falta de energia: sensação constante de cansaço e exaustão;
  • Distúrbios do sono: insônia (dificuldade em dormir) ou hipersonia (sono excessivo);
  • Distúrbios alimentares: perda de apetite ou aumento do apetite e ganho de peso;
  • Dificuldade de concentração: dificuldade em tomar decisões ou se concentrar em tarefas;
  • Sentimentos de inutilidade ou culpa excessiva: autocrítica intensa e sentimentos de inutilidade;
  • Pensamentos de morte ou suicídio: ideias de suicídio ou autolesão.

A depressão CID pode ser desencadeada por uma combinação de fatores, incluindo predisposição genética, desequilíbrios químicos no cérebro, eventos estressantes da vida, trauma e fatores ambientais. Ela pode afetar pessoas de todas as idades e origens.

O tratamento da depressão CID geralmente envolve uma abordagem multidisciplinar, que pode incluir os benefícios da terapia e medicação antidepressiva prescrita por um profissional de saúde mental.

O apoio de amigos e familiares também desempenha um papel importante no tratamento e na recuperação da depressão.

Além disso, a depressão reflete-se em todas as áreas da vida. Por isso, falar sobre depressão no trabalho e ter apoio da empresa e colegas, é tão importante também!

É fundamental procurar ajuda profissional se você ou alguém que você conhece estiver sofrendo de depressão, pois o tratamento adequado pode ajudar a aliviar os sintomas e melhorar a qualidade de vida.

A depressão CID não é uma fraqueza, e o apoio e o tratamento podem fazer uma grande diferença.

Tipos de depressão CID-F

Tipos de depressão CID-F

Foto – ijeab – Envato

Não existe um único tipo de depressão. Apenas um profissional da saúde pode fazer um diagnóstico preciso!

Segundo a Classificação Internacional de Doenças, elas podem ser divididas em:

F32 Episódios depressivos

F32 Episódios depressivos

Esses episódios são um subconjunto de transtornos depressivos mais amplos e são caracterizados por um período definido de tempo em que a pessoa experimenta uma série de sintomas depressivos.

Além disso, o F32 é frequentemente associado ao diagnóstico de Transtorno Depressivo Recorrente.

Os critérios gerais para o diagnóstico de episódios depressivos incluem a presença dos seguintes sintomas durante pelo menos duas semanas:

  • Humor deprimido, tristeza persistente ou perda de interesse e prazer em atividades que antes eram consideradas agradáveis;
  • Fadiga ou falta de energia;
  • Distúrbios do sono, como insônia ou hipersonia;
  • Mudanças no apetite e peso (perda ou ganho de peso significativo);
  • Dificuldade de concentração e tomada de decisões;
  • Sentimentos de inutilidade ou culpa excessiva;
  • Pensamentos de morte ou suicídio.

A intensidade e a duração dos sintomas podem variar de pessoa para pessoa.

Episódios depressivos podem ser únicos ou recorrentes ao longo da vida de um indivíduo.

Quando esses episódios são recorrentes, é mais provável que o diagnóstico seja de Transtorno Depressivo Recorrente (também conhecido como Transtorno Depressivo Maior Recorrente).

O diagnóstico e tratamento de Episódios Depressivos são geralmente realizados por profissionais de saúde mental, como psiquiatras e psicólogos.

O tratamento pode incluir terapia, medicação e apoio psicossocial, dependendo da gravidade dos sintomas e das necessidades individuais do paciente.

É importante buscar ajuda profissional se você ou alguém que você conhece estiver sofrendo de sintomas depressivos, uma vez que o tratamento adequado pode ser eficaz na redução do sofrimento e na melhoria da qualidade de vida.

F33 Transtorno depressivo recorrente

F33 Transtorno depressivo recorrente

O Transtorno Depressivo Recorrente é uma forma específica de transtorno depressivo (ou depressão clínica) que é caracterizada pela ocorrência de episódios depressivos distintos e recorrentes ao longo da vida de um indivíduo.

Os principais critérios para o diagnóstico de Transtorno Depressivo Recorrente incluem:

  • Pelo menos dois ou mais episódios depressivos distintos no passado, separados por um período de tempo em que o indivíduo tenha estado livre de sintomas depressivos;
  • A presença dos sintomas típicos de um episódio depressivo, como humor deprimido, perda de interesse ou prazer em atividades, fadiga, distúrbios do sono, alterações no apetite, dificuldade de concentração, sentimentos de inutilidade ou culpa excessiva e pensamentos de morte ou suicídio;
  • A exclusão de episódios depressivos causados por condições médicas ou pelo uso de substâncias.

O Transtorno Depressivo Recorrente é uma forma comum de depressão e pode variar em gravidade de leve a grave.

O tratamento para esse transtorno muitas vezes envolve uma combinação de terapia psicológica e complementar e, em alguns casos, medicação antidepressiva prescrita por um profissional de saúde mental.

O apoio de amigos e familiares é crucial para o tratamento e a recuperação.

É importante procurar ajuda profissional se você ou alguém que você conhece estiver sofrendo de Transtorno Depressivo Recorrente, uma vez que o tratamento adequado pode ajudar a gerenciar os episódios depressivos, reduzir o risco de recorrência e melhorar a qualidade de vida.

F34 Transtornos de humor [afetivos] persistentes

F34 Transtornos de humor [afetivos] persistentes

Esses transtornos de humor são caracterizados por estados emocionais persistentes que afetam o humor e a função emocional ao longo do tempo. Eles podem incluir condições como a distimia e outros transtornos afetivos persistentes.

A distimia é um exemplo comum de um transtorno de humor persistente.

Ela envolve sintomas crônicos de depressão, embora menos intensos do que um episódio depressivo maior.

Os sintomas da distimia incluem humor deprimido na maior parte dos dias, falta de interesse ou prazer em atividades, baixa energia, alterações no sono e no apetite, baixa autoestima, dificuldade de concentração e sentimentos de desesperança.

Os Transtornos de Humor Persistentes diferem dos episódios depressivos agudos no sentido de que os sintomas são crônicos e persistentes ao longo do tempo, muitas vezes com duração de vários anos.

O tratamento para Transtornos de Humor Persistentes pode envolver terapia psicológica, como a terapia psicológica e complementar, bem como, em alguns casos, medicação antidepressiva prescrita por um profissional de saúde mental.

O objetivo do tratamento é ajudar a pessoa a lidar com os sintomas persistentes, melhorar a qualidade de vida e prevenir o agravamento dos sintomas.

É importante buscar ajuda profissional se você ou alguém que você conhece estiver sofrendo de Transtornos de Humor Persistentes, uma vez que o tratamento adequado pode ser eficaz na redução do sofrimento e na melhoria da função emocional e social.

F38.1 Outros transtornos do humor [afetivos] recorrentes

F38.1 Outros transtornos do humor [afetivos] recorrentes

Esta categoria engloba transtornos do humor recorrentes que não se enquadram nas categorias mais específicas do CID-10, como o Transtorno Depressivo Recorrente (F33), que é usado para episódios depressivos recorrentes.

Transtornos do humor recorrentes, em geral, se referem a condições em que uma pessoa experimenta episódios distintos de alterações de humor que ocorrem repetidamente ao longo do tempo.

Essas alterações de humor podem incluir episódios depressivos, episódios de mania (em transtornos bipolares) ou outros estados de ânimo que se repetem.

É importante observar que o código F38.1 é uma categoria geral que não especifica um transtorno de humor recorrente específico.

Em vez disso, ele é usado quando um profissional de saúde mental identifica um transtorno do humor recorrente que não se encaixa em outras categorias mais específicas da CID-10.

O tratamento e a gestão desses transtornos do humor recorrentes geralmente dependem da natureza específica dos sintomas e dos episódios envolvidos.

O tratamento pode incluir terapia psicológica, medicação, suporte psicossocial e, em alguns casos, intervenções específicas para tratar os sintomas e prevenir a recorrência.

É importante que o diagnóstico e o tratamento sejam realizados por profissionais de saúde mental qualificados, pois a abordagem terapêutica pode variar amplamente com base na natureza e na gravidade dos sintomas do paciente.

F41.2 Transtorno misto de ansiedade e depressão

F41.2 Transtorno misto de ansiedade e depressão

Este é um diagnóstico que descreve uma condição em que uma pessoa apresenta sintomas tanto de ansiedade quanto de depressão ao mesmo tempo, em um grau que atende aos critérios diagnósticos.

Os sintomas de ansiedade podem incluir preocupação excessiva, inquietação, tensão, irritabilidade e sintomas físicos, como palpitações cardíacas, sudorese e tremores.

Os sintomas de depressão incluem humor deprimido, perda de interesse ou prazer em atividades, fadiga, alterações no sono e no apetite, sentimentos de inutilidade e pensamentos de morte.

O Transtorno Misto de Ansiedade e Depressão é caracterizado pela coexistência desses sintomas de ansiedade e depressão e pode ser clinicamente significativo, impactando negativamente a vida do indivíduo.

A pessoa pode se sentir constantemente preocupada e triste ao mesmo tempo.

O tratamento do Transtorno Misto de Ansiedade e Depressão geralmente envolve uma abordagem multidisciplinar.

Isso pode incluir terapia psicológica e complementar, que ajuda a identificar e lidar com os pensamentos e comportamentos negativos, bem como, em alguns casos, medicação prescrita por um profissional de saúde mental.

O tratamento visa aliviar os sintomas de crise de ansiedade no trabalho e depressão e melhorar a qualidade de vida do paciente.

É importante que o diagnóstico e o tratamento sejam realizados por profissionais de saúde mental qualificados, pois a abordagem terapêutica pode variar com base na gravidade dos sintomas e nas necessidades individuais do paciente.

Como reconhecer os sintomas de depressão no trabalho?

Como reconhecer os sintomas de depressão no trabalho?

Foto- Lazy_Bear – Envato

Reconhecer os sintomas de depressão no ambiente de trabalho é importante para que você possa oferecer apoio ou encaminhar a pessoa afetada para o tratamento adequado.

Os sintomas de depressão no trabalho podem variar de pessoa para pessoa, mas geralmente incluem:

  • Mudanças de comportamento: observar mudanças no comportamento de um colega de trabalho pode ser um sinal de depressão. Isso pode incluir irritabilidade, apatia, desinteresse por atividades que costumavam ser agradáveis, agressividade, choro frequente ou explosões emocionais;
  • Baixa produtividade: uma das consequências da depressão é a redução da capacidade de concentração e produtividade. Os funcionários deprimidos podem ter dificuldade em cumprir tarefas, prazos e podem cometer erros frequentes;
  • Isolamento social: pessoas com depressão muitas vezes se isolam dos colegas de trabalho e amigos. Elas podem evitar interações sociais, evitar eventos sociais e até mesmo faltar ao trabalho regularmente;
  • Mudanças no padrão de sono e apetite: insônia ou hipersonia (sono excessivo), bem como alterações no apetite (perda ou ganho de peso significativo), são sintomas comuns de depressão que podem afetar o desempenho no trabalho;
  • Crises de ansiedade no trabalho: algumas pessoas com depressão também podem experimentar crises de ansiedade no ambiente de trabalho, o que pode incluir sintomas como palpitações, suor excessivo, tremores e pensamentos negativos;
  • Faltas e atrasos frequentes: a depressão pode levar a faltas frequentes e atrasos no trabalho, pois a pessoa pode ter dificuldade em encontrar motivação para comparecer ao emprego;
  • Desinteresse nas responsabilidades profissionais: uma pessoa deprimida pode não mais se importar com suas tarefas no trabalho e pode sentir que tudo é uma sobrecarga;
  • Comentários ou indicações de desespero: alguns funcionários deprimidos podem expressar sentimentos de desespero, inutilidade ou até mesmo mencionar pensamentos suicidas.

Causas da depressão CID

Causas da depressão CID

Foto – Garakta-Studio – Envato

A depressão é uma condição de saúde mental complexa e multifatorial, e suas causas não podem ser atribuídas a uma única origem.

Em vez disso, a depressão é frequentemente resultado de uma interação complexa entre vários fatores, incluindo:

  • Fatores biológicos: alterações na química cerebral desempenham um papel significativo na depressão. Desequilíbrios nos neurotransmissores, como a serotonina, a noradrenalina e a dopamina, podem contribuir para o desenvolvimento da depressão;
  • Fatores genéticos: a predisposição genética desempenha um papel importante. Se um membro da família tem depressão, há uma probabilidade aumentada de que outros membros da família também possam desenvolver a condição;
  • Fatores psicológicos: traumas, estresse, eventos de vida difíceis, perdas significativas e experiências negativas na infância podem contribuir para o desenvolvimento da depressão. Modelos de pensamento negativo ou autocrítico também podem desempenhar um papel;
  • Fatores ambientais: ambientes adversos, incluindo condições socioeconômicas desfavoráveis, falta de apoio social e estigmatização da doença mental, podem aumentar o risco de depressão;
  • Doenças físicas: algumas condições médicas, como doenças crônicas, doenças cardiovasculares, câncer, entre outras, podem estar associadas à depressão;
  • Uso de substâncias: a uso de álcool, drogas ou medicamentos pode levar a alterações no humor e contribuir para o desenvolvimento da depressão;
  • Desequilíbrio hormonal: alterações nos níveis hormonais, como os observados na gravidez, no pós-parto, na menopausa e em distúrbios da tireoide, podem estar relacionados à depressão;
  • Fatores sociais e culturais: fatores sociais, como isolamento social, discriminação, violência ou abuso, podem aumentar o risco de depressão. A cultura e as normas sociais também desempenham um papel na expressão e compreensão da depressão.

É importante ressaltar que a depressão pode resultar da combinação de vários desses fatores em um único indivíduo.

Além disso, nem todas as pessoas com fatores de risco desenvolverão depressão, e muitas pessoas com depressão não têm todos esses fatores.

O diagnóstico e o tratamento da depressão devem ser realizados por profissionais de saúde mental qualificados, como psicólogos e psiquiatras.

O tratamento pode incluir terapia, medicação, apoio social e mudanças no estilo de vida, dependendo da gravidade e das circunstâncias individuais.

Reconhecer e buscar tratamento precocemente é fundamental para a recuperação da depressão.

Depressão como doença do trabalho

Depressão como doença do trabalho

Foto – nd3000 – Envato

De acordo com dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), a depressão já afetava cerca de 11,5 milhões de brasileiros (5,8% da população) e os números aumentaram com a pandemia.

Segundo dados do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), em 2022, um total de 209.124 indivíduos tiveram que se afastar do trabalho devido a transtornos mentais, abrangendo condições como depressão, distúrbios emocionais e Alzheimer.

Em comparação, no ano de 2021, foram registrados 200.244 casos de afastamento por essas mesmas razões.

A depressão é uma questão de saúde significativa no contexto do trabalho e pode afetar tanto os indivíduos quanto as organizações.

Aqui estão alguns aspectos importantes a considerar sobre a depressão como uma doença do trabalho:

  1. Prevalência: a depressão é uma das principais causas de absenteísmo no trabalho em todo o mundo. Muitos funcionários sofrem silenciosamente, o que pode levar a faltas frequentes e baixa produtividade;
  2. Prejuízos para a saúde dos indivíduos: a depressão no trabalho pode resultar em sofrimento emocional significativo para os indivíduos. Os sintomas da depressão, como fadiga, ansiedade e pensamentos negativos, podem tornar as tarefas diárias no trabalho mais desafiadoras;
  3. Prejuízos para a produtividade e o desempenho: a depressão pode levar a uma diminuição da produtividade e do desempenho no trabalho. Funcionários deprimidos podem ter dificuldade em cumprir prazos, tomar decisões e manter a concentração;
  4. Custo para as organizações: a depressão no local de trabalho tem um custo financeiro significativo para as organizações devido ao absenteísmo, presenteísmo (estar presente no trabalho, mas com baixo desempenho devido à doença) e aos custos associados ao tratamento de saúde mental;
  5. Riscos: um colaborador com depressão pode ser um potencial risco para a empresa no sentido dos custos com afastamento, sinistralidade e possíveis trabalhistas.
  6. Estigma: o estigma em torno da saúde mental no local de trabalho é um grande desafio. Os funcionários podem hesitar em buscar ajuda devido ao medo de estigmatização ou preocupações sobre as repercussões em suas carreiras;
  7. Políticas e práticas de apoio: as organizações estão começando a reconhecer a importância de políticas e práticas que apoiem a saúde mental dos funcionários. Isso inclui oferecer recursos como programas de bem-estar, acesso a aconselhamento e treinamento em saúde mental para funcionários e gestores;
  8. Intervenções preventivas: programas de prevenção, como a promoção do equilíbrio entre trabalho e vida pessoal, gerenciamento de estresse e a criação de um ambiente de trabalho saudável, podem ajudar a prevenir a depressão e outros problemas de saúde mental.
  9. Apoio aos funcionários: é essencial que os empregadores forneçam apoio aos funcionários que estão enfrentando a depressão. Isso pode incluir licenças médicas, ajustes no ambiente de trabalho, programas de retorno ao trabalho após tratamento e suporte emocional;
  10. Educação e conscientização: a educação sobre saúde mental e a conscientização sobre a depressão no local de trabalho são fundamentais para reduzir o estigma e promover um ambiente mais compreensivo e solidário.

Reconhecer a depressão como uma doença do trabalho é um passo importante para melhorar o bem-estar dos funcionários e a saúde geral da organização.

Promover uma cultura de apoio à saúde mental e fornecer recursos e programas eficazes de prevenção e tratamento pode fazer a diferença na vida das pessoas e no sucesso das empresas.

Como ajudar alguém com depressão CID-F no ambiente de trabalho?

Como ajudar alguém com depressão CID-F no ambiente de trabalho

Foto – YuriArcursPeopleimages – Envato

Dicas especiais do que você e sua empresa podem fazer!

Dicas para colegas

Dicas para colegas

Se você notar esses sintomas em um colega de trabalho, é importante agir com empatia e compreensão. Aqui estão algumas ações que você pode considerar:

  • Converse com a pessoa: ofereça apoio e incentive a conversa, mas seja respeitoso e não invasivo. Pergunte como a pessoa está se sentindo e se está passando por um momento difícil;
  • Encoraje o autocuidado: sugira que a pessoa procure ajuda profissional, como um psicólogo ou psiquiatra, e ofereça informações sobre recursos de saúde mental disponíveis;
  • Informe o gestor ou RH: se a pessoa permitir e houver preocupações sobre sua segurança ou desempenho no trabalho, informe um supervisor ou o departamento de recursos humanos para que possam tomar medidas apropriadas;
  • Mantenha a confidencialidade: respeite a privacidade da pessoa e não compartilhe informações sensíveis com outros colegas de trabalho, a menos que seja necessário para sua segurança.

Lembre-se de que a depressão CID é uma condição médica séria, e a pessoa afetada pode precisar de apoio profissional para se recuperar.

Oferecer apoio, compreensão e incentivo para buscar tratamento pode fazer uma grande diferença na vida de alguém que está lutando contra a depressão CID no ambiente de trabalho.

Dicas para líderes

Dicas para líderes

Lidar com colaboradores que apresentam sinais de depressão no trabalho exige empatia, compreensão e uma abordagem sensível.

Aqui estão algumas dicas para líderes que desejam apoiar seus funcionários que estão enfrentando a depressão:

  • Esteja atento aos sinais: esteja ciente dos sinais de depressão, como mudanças no comportamento, baixa produtividade, isolamento, falta de interesse nas tarefas de trabalho e faltas frequentes. Se você notar esses sinais, aborde a situação de maneira cuidadosa;
  • Tenha uma comunicação aberta: incentive a comunicação aberta e honesta com seus funcionários. Mostre que você está disponível para ouvi-los e que se preocupa com o bem-estar deles. Seja um ouvinte atento e não julgue;
  • Mantenha a confidencialidade: respeite a privacidade do funcionário. Não compartilhe informações pessoais ou médicas com outros colegas de trabalho, a menos que tenha permissão explícita;
  • Ofereça apoio e recursos: informe o funcionário sobre os recursos disponíveis para ajudá-lo, como programas de assistência ao empregado, benefícios de saúde mental, serviços de aconselhamento ou profissionais de saúde mental. Mostre disponibilidade para ajudá-lo a acessar esses recursos;
  • Flexibilidade: ofereça flexibilidade em relação ao horário de trabalho, se possível. Isso pode incluir ajustar prazos ou permitir horários de trabalho mais flexíveis para acomodar o tratamento do funcionário;
  • Colabore no estabelecimento de metas realistas: ajude o funcionário a definir metas de trabalho realistas e alcançáveis. Isso pode incluir a priorização de tarefas e a definição de expectativas claras;
  • Evite pressões adicionais: evite sobrecarregar o funcionário com tarefas extras ou pressão adicional. Ofereça ajuda com a redistribuição de tarefas, se necessário;
  • Mantenha contato regular: mantenha contato regular com o funcionário, mesmo que seja apenas para verificar como ele está se sentindo. Isso mostra que você se importa e está disposto a apoiá-lo;
  • Treinamento de gestão: ofereça treinamento em saúde mental para líderes e gestores. Isso pode ajudá-los a reconhecer sinais de problemas de saúde mental e a lidar com situações sensíveis;
  • Promova um ambiente de apoio: crie um ambiente de trabalho que promova a saúde mental e o bem-estar, reduzindo o estigma em torno de questões de saúde mental e incentivando a busca de ajuda quando necessário;
  • Acompanhe o progresso: à medida que o funcionário busca tratamento, mantenha-se atualizado sobre seu progresso e ofereça apoio contínuo. Esteja preparado para ajustar as tarefas e expectativas à medida que a pessoa se recupera;
  • Lembre-se de cuidar de si mesmo: apoiar funcionários com depressão pode ser desafiador. Lembre-se de cuidar de sua própria saúde mental, buscando apoio e recursos quando necessário.

A depressão é uma condição médica séria, e o apoio de líderes e colegas de trabalho desempenha um papel fundamental na recuperação de uma pessoa.

Sua compreensão e apoio podem fazer uma grande diferença na vida de alguém que está lutando contra a depressão no ambiente de trabalho.

Dicas para founders

Dicas para founders

Lidar com colaboradores que apresentam sinais de depressão no trabalho pode ser desafiador, mas é fundamental para criar um ambiente de trabalho saudável e apoiar o bem-estar de sua equipe.

Aqui estão algumas dicas para founders ao lidar com essa situação:

  • Esteja consciente dos sinais: esteja atento aos sinais de depressão, como mudanças de comportamento, baixa produtividade, isolamento, faltas frequentes e expressões de desespero. Quanto mais cedo você reconhecer os sinais, melhor poderá oferecer suporte;
  • Tenha empatia e compreensão: aborde a situação com empatia e compreensão. Demonstre que você se importa com o bem-estar de seus colaboradores e que está disposto a ajudar;
  • Promova um ambiente de abertura: crie um ambiente de trabalho onde os colaboradores se sintam confortáveis em compartilhar suas preocupações e desafios relacionados à saúde mental. Isso ajuda a reduzir o estigma e incentiva a busca de ajuda quando necessário;
  • Tenha conversas privadas: converse com o colaborador em particular e de maneira discreta. Isso ajuda a proteger sua privacidade e evita constrangimentos;
  • Ofereça suporte e recursos: informe o colaborador sobre os recursos disponíveis, como programas de assistência ao empregado, benefícios de saúde mental, serviços de aconselhamento e profissionais de saúde mental. Ajude-os a acessar esses recursos, se necessário;
  • Flexibilidade no trabalho: ofereça flexibilidade em relação ao horário de trabalho, se possível. Isso pode incluir ajustes no horário ou na carga de trabalho para acomodar o tratamento e o bem-estar do colaborador;
  • Colabore na definição de expectativas: trabalhe junto com o colaborador para definir expectativas realistas em relação a tarefas e prazos. Isso pode ajudar a reduzir o estresse e a pressão;
  • Evite sobrecarregar: evite sobrecarregar o colaborador com tarefas extras ou pressão adicional. Ajude com a redistribuição de tarefas, se necessário, para aliviar a carga de trabalho;
  • Cuide de sua própria saúde mental: lidar com colaboradores que enfrentam problemas de saúde mental pode ser emocionalmente desafiador. Certifique-se de cuidar de sua própria saúde mental e buscar apoio quando necessário;
  • Seja paciente: a recuperação da depressão pode levar tempo, e cada indivíduo é único. Seja paciente e continue oferecendo apoio à medida que o colaborador busca ajuda e avança no tratamento.
  • Invista na saúde: ter uma cultura saudável trazer retorno financeiro para empresa, além de um clima mais motivador.

Conheça o Guia da Alma: plataforma de saúde mental para Empresas

Escute o episódio do Guia da Alma Cast: Palavra do CEO: como equilibrar saúde mental e empreendedorismo, por Felipe Spina

Dicas para RH

Dicas para RH

Aqui estão algumas dicas para o RH ao lidar com essa situação:

  • Promova um ambiente de apoio e compreensão: crie um ambiente de trabalho que promova a compreensão e o apoio à saúde mental. Isso pode incluir programas de conscientização sobre saúde mental, treinamento para a equipe e políticas de não discriminação;
  • Mantenha a confidencialidade: respeite a privacidade do colaborador. Não compartilhe informações pessoais ou médicas com outros colegas de trabalho, a menos que tenha permissão explícita;
  • Esteja disponível para conversas: esteja disponível para conversar com o colaborador sobre suas preocupações e desafios. Ofereça um ouvido atento e compreensivo;
  • Forneça informações sobre recursos: informe o colaborador sobre os recursos disponíveis para ajudá-lo, como programas de assistência ao empregado, benefícios de saúde mental, serviços de aconselhamento e profissionais de saúde mental. Ajude-o a acessar esses recursos, se necessário;
  • Flexibilidade no trabalho: ofereça flexibilidade em relação ao horário de trabalho, se possível. Isso pode incluir ajustes no horário ou na carga de trabalho para acomodar o tratamento e o bem-estar do colaborador;
  • Colabore na definição de expectativas: trabalhe com o colaborador para definir expectativas realistas em relação a tarefas e prazos. Isso pode ajudar a reduzir o estresse e a pressão;
  • Evite sobrecarregar: evite sobrecarregar o colaborador com tarefas extras ou pressão adicional. Ajude com a redistribuição de tarefas, se necessário, para aliviar a carga de trabalho;
  • Acompanhe o progresso: à medida que o colaborador busca tratamento, mantenha contato regular para verificar seu progresso e fornecer apoio contínuo;
  • Promova a conscientização e o desenvolvimento pessoal: ofereça treinamento e recursos sobre saúde mental para a equipe. Isso pode ajudar a reduzir o estigma e promover a compreensão;
  • Ofereça apoio à equipe: reconheça que lidar com colegas de trabalho que enfrentam desafios de saúde mental pode ser emocionalmente desafiador para a equipe. Ofereça apoio e recursos para todos os funcionários.

Finalmente, é importante enfatizar que, embora o apoio de amigos, colegas de trabalho e do RH seja valioso, nada substitui o suporte terapêutico de profissionais de saúde mental.

A depressão CID é uma condição médica séria, e o tratamento adequado desempenha um papel fundamental na recuperação.

Portanto, encoraje e apoie o colaborador a buscar ajuda terapêutica, pois é um passo essencial para a melhoria da saúde mental.

Terapia para depressão CID no trabalho: a importância do suporte emocional especializado

Terapia para depressão CID no trabalho: a importância do suporte emocional especializado

Foto – valeriygoncharukphoto – Envato

Aqui no Guia da Alma, você encontra um benefício completo que pode apoiar na questão dos casos de depressão no trabalho!

  • Plataforma de terapia online;
  • Mapeamento de casos de depressão na equipe;
  • Palestras e treinamentos sobre o tema, e mais!

Centenas de empresas já implementaram esses programas como rituais em suas empresas. Através de uma rede de profissionais especializados em atender o ambiente corporativo, apoiamos a saúde mental dos seus colaboradores. Conheça aqui o Guia da Alma para Empresas.

Os problemas causados pela depressão CID no trabalho existem e geram impactos tanto para colaboradores, quanto para as empresas.

É preciso buscar alternativas para amenizar os obstáculos, seja adotando programas voltados à saúde e bem-estar dos colaboradores, seja migrando o negócio para ambientes mais saudáveis e motivadores.

O fato é que uma trajetória só precisa de uma nova atitude para ser mudada, e o papel da empresa é fundamental para dar o primeiro passo.

Vamos juntos?

Conte com o Guia da Alma para isso:

5/5 - (1 voto)

Fundador e CEO do Guia da Alma. Especialista em Saúde Mental corporativa. Especialista em Terapias Complementares. Palestrante e Instrutor de Meditação Mindfulness para Empresas.

AGENDAR!

6 práticas indispensáveis e acessíveis para criar uma cultura saudável!