O que é Comunicação não violenta e como praticar?

Por mais empatia e relações saudáveis no dia a dia!
Comunicação Não Violenta: pessoas em acordo em reunião
Mais terapias de Andrea Maria Andrade
5/5 - (5 votos)

Buscando dicas de como praticar a Comunicação Não-violenta no trabalho e na vida? Fica comigo nesse artigo!

Uma das iniciativas em nosso processo de autoconhecimento é voltarmos a nossa observação para identificar e separar aquilo que é nosso e aquilo que não é: pensamentos, emoções, crenças…

Muitas vezes estamos empenhados em entregar resultados comportamentais nos encaixando em padrões que não tem nada a ver conosco para assim agradar mais e atender as expectativas que não são nossas.

Nesta perspectiva, a Comunicação não Violenta destaca um ótimo começo para estarmos mais presentes, identificar o que desejamos além dos padrões impostos e apresenta-nos o poder de escolha por meio de uma rota que vai de onde estamos agora – o que está vivo em mim?  – até para onde queremos chegar. 

O ponto de partida é autoanálise e a percepção e identificação do que estou sentindo e como reajo. E estar num autêntico estado de presença e consciência, para então escolher como vou me expressar a partir disto: com hostilidade ou com amorosidade.

Por mais empatia no dia a dia, por mais relações saudáveis e ganhos em bem-estar, dedico este texto a todos aqueles que estão abertos a se conectarem com a linguagem do coração, a linguagem do amor: a Comunicação Não Violenta.

Se você se interessou em saber mais, veja abaixo o que eu preparei para te aproximar da Linguagem do coração.


 

O que é Comunicação não violenta (CNV)?

comunicação não violenta

Foto: Priscilla Du Preez – Unsplash

É uma jornada de aperfeiçoamento pessoal voltada a ampliar a conexão empática consigo e também com o outro, criando oportunidades de exercitarmos o respeito, a honestidade, a compaixão e muitos outros valores que criam uma atmosfera mais leve e agregadora e que impacta positivamente no coletivo.

Pode ser considerada uma metodologia estruturada pelo psicólogo americano Marshall Rosenberg: 

A Comunicação Não Violenta é um modo de ser, de pensar e de viver. Seu propósito é inspirar conexões sinceras entre as pessoas de maneira que as necessidades de todas sejam atendidas, por meio da doação compassiva. Podemos dizer que a CNV é o idioma da compaixão, mas na verdade, ela é uma linguagem da vida na qual a compaixão surge naturalmente, já que está naturalmente em nossa essência.” Marshall Rosenberg

elementos da CNV comunicação não violenta de marshall rosenberg

Elementos da CNV de Marshall Rosenberg

Marshall afirma que:

“Estou interessado na prendizagem motivada pela reverência pela vida, motivada pelo desejo de adquirir competências, de aprender coisas novas que nos ajudem a contribuir para o nosso próprio bem-estar e o dos outros. E o que me enche de tristeza é a aprendizagem que é motivada pela coerção.” – Marshall Rosenberg

 

Os benefícios de praticar a CNV

comunicação não violenta

Foto: Ekaterina Bolovtsova – Pexels

  • A comunicação é mais clara e honesta, fortalecendo vínculos entre as pessoas com mais empatia.
  • Desenvolve a sensibilidade para enxergarmos além das palavras e do modo como são ditas (comportamentos).
  • Expande a inteligência emocional.
  • Reduz conflitos e conversas hostis.
  • Promove genuína conexão entre os indivíduos, e a empatia
  • Melhora a forma de dar e receber feedbacks construtivos
  • Na mediação de conflitos essa abordagem tem-se mostrado muito útil nas esferas familiares, entre casais, amigos, ambientes corporativos e também, em conflitos políticos, religiosos e jurídicos.
  • Pode-se acrescentar uma lista bem maior de benefícios, visto que ocorrem desdobramentos das percepções pessoais quando elas estão na perspectiva integrativa.
  • Surgindo a intenção de integrar e aproximar, um novo olhar, sob as lentes da empatia, enxerga o caminho possível: os quatro passos ou componentes para praticar a comunicação não violenta.

 

Componentes da CNV de Marshall Rosenberg

Marshall Rosenberg | Foto: Nonviolent Communication

Reduzir a Comunicação Não Violenta aos seus quatro componentes é como reduzir o oceano a um rio que corre para uma direção apenas.

Quando a linguagem do amor transborda, ela se espalha por muitas direções e não temos nem condições de mensurar tudo de bom que essa onda pode deixar por onde ela passa já que de alguma forma podemos aprender a enxergar os sentimentos e as necessidades que estão por trás de um comportamento hostil.

Assim, com mais clareza podemos escolher como reagir com mais pacificamente ou não.

A comunicação violenta não impõe nada, aponta caminhos. E diante de uma situação de conflito onde acusações, julgamentos e insultos são dirigidos a nós, na perspectiva da CNV temos o poder da escolha a partir de estarmos com atenção e presença no momento presente.

Mas certamente os quatro passos (componentes) estruturam e objetivam uma comunicação que foca em conexões mais autênticas, amorosas, considerando a aplicação de melhores soluções para todos os envolvidos. São eles:

os passos da comunicação não violenta de marshall rosenberg

Os passos da CNV de Marshall Rosenberg

 

1. Observação sem julgamento ou avaliação

comunicação não violenta

Foto: Bewakoof – Unsplash

“A CNV não nos obriga a permanecermos completamente objetivos e a nos abstermos de avaliar. Ela apenas requer que mantenhamos a separação entre nossas observações e nossas avaliações”.  Marshall Rosenberg

 

2. Identificar e expressar os sentimentos

comunicação não violenta

Foto: Jay Mullings – Unsplash

Sentimentos são os mensageiros que indicam se as nossas necessidades foram satisfeitas ou não.

“O que os outros fazem pode ser o estímulo para nossos sentimentos, mas não a causa”.  Marshall Rosenberg

 

3. Identificar e expressar as necessidades

comunicação não violenta

Foto: Maii Fallara – Unsplash

As necessidades podem ser compreendidas como valores ou princípios relevantes para todos os seres humanos, como por exemplo: igualdade, liberdade, afeto, compreensão, alimento

Em outras palavras, necessidades nomeiam aquilo que compõe o nosso bem estar integral: físico, mental, emocional, social e espiritual.

Marshall afirma que, “por trás de todo sentimento, existe uma necessidade atendida ou não”.

 

4. Fazer pedidos que enriqueçam a vida

comunicação não violenta

Foto: Diana Simumpande – Unsplash

O que gostaríamos de pedir a nós ou aos outros que enriquece a vida?

Devemos ficar atentos (as) para que nossos pedidos sejam claros e para que não cheguem ao outro como sendo uma exigência ou uma ordem.

“Formular pedidos em linguagem clara, positiva e de ações concretas revela o que realmente queremos”. Marshall Rosenberg

Bibliografia: Comunicação não violenta. Marshal Rosenberg | Apostila autoral: aplicações da Comunicação não Violenta na Educação | Jogo Sentimentos e necessidades GROK

 

Vivendo a comunicação não violenta: como praticar no dia a dia?

comunicação não violenta

Foto: Etienne Boulanger – Unsplash

Trocando as reações automáticas por respostas mais conscientes. Mais clareza naquilo que estamos observando, sentindo e desejando.

A rota com os quatro passos nos convida a esta jornada de autoconhecimento, que se desdobra em vínculos interpessoais pacíficos e agregadores de valores humanos universais.

 

1. Acolher a escuta de si

Foto: VisionPic – Pexels

O primeiro passo é estarmos presentes, colocando a nossa atenção naquilo que se apresenta, não no passado e nem no futuro, mas no agora.

Agora, o que observo nesta situação?

Posso olhar para o fato e buscar dentro de mim aquilo que está vivo, ou seja, aquilo que sinto em relação a esta situação me traz pistas para buscar também a identificação das minhas necessidades, e se foram atendidas ou não, e formular um pedido claro e autêntico.

Autêntico, pois veio de um lugar dentro de mim, está vivo em mim e eu reconheço honestamente.

 

2. Oferecer escuta

Foto: Christin Hume – Unsplash

Este script nos propõe abertura para conexões mais empáticas e assim acolhemos (colocando a sincera intenção) também o que está vivo no outro, ouvindo-o, estando presente, oferecendo a escuta empática.

Duas partes importantes para a CNV:

  • EXPRESSAR HONESTAMENTE aquilo que estamos sentindo e necessitando;
  • RECEBER EMPATICAMENTE aquilo a outra pessoa sente e necessita.

 

3. Estar atento(a) aos obstáculos e impedimentos da conexão genuína: 

Foto: Vera Arsic – Pexels

  • Consolar;
  • Tirar o protagonismo do outro;
  • Aconselhar;
  • Corrigir;
  • Vitimizar-se.

 

4. Praticar o estado de presença

Foto: Anna Shvets -Pexels

“Pratique por três minutos, três vezes ao dia. Três minutos de escuta a si mesmo, sem julgamentos nem recriminações, sem conselhos, sem busca de soluções. Três minutos dedicados a você e não a seus projetos ou suas preocupações. Três minutos para se conectar consigo mesmo. É dessa qualidade de presença em relação a si mesmo que poderá nascer à qualidade de presença para o outro”.

Thomas D’ Ansembourg

 

5. Retirar julgamentos

Foto: Cottonbro – Unsplash

Evite misturar o que podemos ver com aquilo que é nossa opinião.

Isso limita a nossa percepção da TOTALIDADE do ser de outra pessoa, mesmo para rótulos positivos.

“A forma mais elevada da inteligência humana é a capacidade de observar sem julgar.” – Jiddu Krishnamurti

 

6. Aprofundar seu conhecimento em CNV

CNV - Andrea Maria Andrade

A CNV é uma técnica muito linda, capaz de evitar conflitos e melhorar relações, porém requer prática para ser uma realidade em nossas vidas.

Agora que você conheceu um pouco sobre a Comunicação Não Violenta, percebeu que é possível praticá-la, gostaria de se aproximar ainda mais desta jornada?

Vem, vamos caminhar juntos (as)!

A CNV é um caminho possível. Uma aprendizagem necessária.

 

Leve CNV para sua empresa! Oferecemos palestras e treinamentos sobre o tema 🙂 Conheça mais nossa Solução completa para a Saúde Mental no trabalho!

5/5 - (5 votos)
As Terapias Holísticas e Integrativas são complementares à medicina alopática, e não devem substituir nenhuma consulta e/ou tratamento médico.
Atenção: este site não oferece tratamento ou aconselhamento imediato para pessoas em crise suicida.
Em caso de crise, ligue para 188 (CVV) ou acesse o site www.cvv.org.br. Em caso de emergência, procure atendimento em um hospital mais próximo.
Política de Privacidade | Termos de Uso
Copyright © 2018 Guia da Alma. Todos os direitos reservados.
Feito com Luz e Amor em Florianópolis!
Por InCuca