Carregando.
Aproveite a pausa e respire fundo!

Olá queridos leitores! No meu artigo anterior, apresentei a vocês um pouco sobre a Ayurveda: a medicina milenar indiana. Hoje, quero falar um pouquinho sobre a alimentação ayurvédica.

A Ayurveda nos revela como transformar a energia dos elementos que constituem todas as substâncias que nos cercam, de modo a nos beneficiarmos delas.

Em uma alimentação ayurvédica, os alimentos, ervas e temperos utilizados não trazem nenhuma substância química ou sintética produzida em laboratório. Só se emprega aquilo que a Mãe Natureza generosamente nos oferece.

Os temperos naturais e ervas são substâncias derivadas de plantas, frutas, legumes, raízes e cereais. Por meio de seu código genético e da fotossíntese, os vegetais codificam a energia do sol, e quando os ingerimos estamos nos sintonizando com esta grande fonte de vida.

Da mesma forma que o sistema solar possui um Sol transformador e gerador de energia, nosso sistema orgânico também possui o seu sol: nossa digestão, o agni. Logo, tudo que ingerimos é sagrado para manter o bom funcionamento deste sol interno, fonte de vitalidade e força de todos os nossos tecidos.

A ciência da vida oferece a qualquerum a liberdade de resgatar a saúde através do entendimento do corpo e suas necessidades.

Nós somos o ar, a água, o solo e a luz deste planeta. Qualquer grão de areia, toda montanha, todo rio e toda folha contem os mesmos elementos. Nós invocamos a natureza na nossa própria natureza. A comida do corpo do universo é a comida do nosso próprio corpo. A transformação dos cinco elementos se entrelaça com o ser.

 

Alimentação ayurvédica e os sabores

Segundo a Ayurveda, uma refeição deve conter os seis sabores: doce, ácido, salgado, picante, amargo e adstringente. Cada um está associado a uma resposta física e emocional.

Enquanto o sabor doce pode ser mais atraente e causar satisfação, o amargo pode provocar desconforto e aversão. O conhecimento dos diferentes sabores nos torna mais conscientes a respeito dos nossos desejos e necessidades.

Sabor é uma característica presente em qualquer substância, e algumas podem apresentar até mais de um simultaneamente. Quando o alimento entra em contato com a língua, percebe-se seu sabor. Este estimula as células sensoriais das papilas gustativas, enviando poderosos estímulos ao sistema nervoso central. Ocorrem então variadas reações orgânicas e produção de enzimas, que vão ativar corpo e mente.

Embora a dieta ayurvédica equilibrada inclua todos os sabores, é preciso ajustar a quantidade de cada um deles de acordo com os doshas (perfis biológicos, segundo a ayurveda). O sabor doce contém os elementos terra e água; o ácido, terra e fogo; o salgado a água e fogo; picante contém fogo e ar; o amargo ar e éter; o adstringente ar e terra. Estas propriedades podem harmonizar ou desequilibrar.

Lembre-se de um detalhe importante: não é porque sua receita contém especiarias que ela será considerada ayurvédica. Ela precisa combinar os ingredientes certos, não conter substâncias artificiais ou combinações incompatíveis. Além disso, é necessário usar os alimentos ideias para o seu dosha.

Que tal experimentar uma receita tridosha? Ou seja, uma receita para os 3 tipos de biotipos, segundo a Ayurveda?

Escolhi uma receitinha bem quentinha, ótima para este friozinho de outono que estou vivendo em Floripa.

Já imaginou o que é? Sim, sopa! <3

Sem preconceitos, elas são nutritivas, fáceis de preparar e de digerir. São perfeitas para um jantar, e de forma sutil, são como um afago materno.

 

Alimento é memória.

Memória é ser.

Comer é lembrar.

 

Receita tridosha: Sopa de Abóbora com Manjericão

Ingredientes

½ colher de sobremesa de ghee;

500ml de água;

300g de abóbora japonesa;

4 colheres de sopa de alho-poró cortado em fatias finas;

3 colheres de sopa de manjericão fresco;

1 pitada de curry;

½ colher de chá de sal.

Preparo

Esquente o ghee e refogue o alho-poró por 2 minutos. Adicione as especiarias e mexa bem.

Acrescente a abóbora e a água e deixe cozinhar até ela ficar bem macia, então desligue o fogo.

Tempere com sal e bata no liquidificador com o manjericão. Despeje novamente na panela e esquente rapidamente.

Na alimentação ayurvédica, não consumimos nada demasiadamente quente, então sirva a sopa morna e sinta-se nutrido.

 

Simples e gostosa, né? Me conte como ficou a sua sopa 🙂

Quer aprender mais receitas? Acesse nossa categoria de Alimentação Saudável!

 

“A respiração é alimento. O corpo come comida. O corpo repousa sobre a respiração. Respiração repousa sobre o corpo. O alimento descansa nos alimentos. Aquele que sabe disso torna-se rico em alimentos e de grande fama.”

TaiOrya Upanishad 11,7

c289a1dc-0bc0-4ca0-a4fb-ddee10594521

Receba o Guia da Alma no seu e-mail!

Conteúdos para a sua evolução da consciência, uma vez por semana.




Pitty Pedack

Terapeuta ayurvédica.

3
0

“Eu não sei muito, estou apenas intoxicado com um copo de amor.” Rumi

...

Deixe seu comentário e contribua com a troca

O Guia da Alma é o Portal que conecta pessoas e Terapeutas para uma vida mais leve com Terapia Holística e Integrativa online ou presencial em todo Brasil!

Descubra também o Autoconhecimento, Espiritualidade e Bem-estar no conteúdo original do nosso blog!

Receba o Guia da Alma no seu e-mail!

Conteúdo para a sua evolução de consciência.

As Terapias Holísticas e Integrativas são complementares à medicina alopática, e não devem substituir nenhuma consulta e/ou tratamento médico.
Atenção: este site não oferece tratamento ou aconselhamento imediato para pessoas em crise suicida.
Em caso de crise, ligue para 188 (CVV) ou acesse o site www.cvv.org.br. Em caso de emergência, procure atendimento em um hospital mais próximo.

Política de Privacidade | Termos de Uso
Copyright © 2018 Guia da Alma. Todos os direitos reservados.
Feito com Luz e Amor em Florianópolis!