Transmissão do Retorno à Fonte

Uma terapia de Cura e Alinhamento Essencial

A Transmissão do Retorno à Fonte ou TRF é uma terapia que faz a conexão do paciente com todo potencial do Universo. Desde a convergência harmônica de 1989, temos à disposição uma nova energia que atua para ‘atualizar’ nossos sistemas, ativando partes de nosso DNA e permitindo que cada pessoa receba aquilo que mais precisa no momento da sessão, podendo ser uma cura física, mental, emocional e / ou espiritual.

O processo é tão amplo que pode ter efeitos em questões práticas do dia a dia, como alinhar a pessoa com um novo emprego, relacionamento, ajudar em questões familiares, trazendo clareza para assuntos que antes pareciam ter poucas possibilidades de solução.

A TRF foi criada pelo português Serafim Vieira, que já atuava com outros métodos de cura (como o Reiki) e recebeu a solicitação de seus mestres para ensinar outras pessoas a utilizar esse potencial energético disponível. Ele abriu as portas dessa nova energia no Brasil, permitindo que cada vez mais pessoas tivessem acesso a ela.

 

Como é realizado este processo?

Geralmente é feito a distância. Não importa a distância do curador e a pessoa a ser curada, para que essa cocriação aconteça. Estamos todos ligados à malha magnética da Terra. O nosso DNA é multidimensional. É por isso que as curas acontecem.

Combina-se um dia e horário, durante o qual o paciente permanece sentado ou deitado em um local calmo e confortável. As sessões de cura a distância duram em média 30 min. Durante a cura, o facilitador torna-se um elo entre o paciente e a Fonte, enviando luz e informação diretamente ao DNA da pessoa, permitindo uma modificação da química celular e restaurando desarmonias físicas, emocionais, mentais e espirituais.

 

O que esperar de uma sessão?

A experiência de cada pessoa com a TRF é única. A melhor forma de permitir que a cura ocorra, é manter-se tranquilo, sem expectativas, e ao iniciar o processo mentalizar a intenção de cura, caso tenha algo específico que gostaria de trabalhar.

Com a TRF tudo é possível. Você recebe luz, intenção, informação e amor, para permitir que seu corpo eleve a vibração e possa retornar ao estado natural de plenitude. Ao longo dos dias, novos caminhos vão se abrindo, e você retorna à sua essência. Nessa cocriação, onde nos unimos além do tempo e do espaço, muitos milagres podem acontecer.

Neste processo, todas as sensações, insights, percepções ocorrem diretamente à pessoa que está recebendo a cura. O facilitador tem o papel de manter aberta a conexão entre o paciente e a fonte. Também é importante ressaltar que os resultados não estão atrelados a sentir algo. Muitas pessoas que não têm sensações e colhem benefícios da mesma forma. A energia nunca atua nas condições limitadas de nossa mente, mas sim, muito além dela, em nível quântico e essencial.

 

Quantas sessões são recomendadas?

O ideal é iniciar o processo com três sessões que são realizadas em dias seguidos ou alternados. Depois a própria pessoa sente quando e quantas mais seriam necessárias. Cada vez que recebe essa energia, mais camadas são trabalhadas pela luz. A inteligência natural de cada ser e da própria energia sabem o que fazer e como atuar.

Somos todos criadores de nossa realidade, nosso poder de cura é real e tudo que precisamos fazer é estarmos receptivos para receber os presentes do universo, confiando que não é por acaso que sua intuição o guiou até aqui.

 

Quais os benefícios mais comuns ligados a esse processo?

    • Sensação de leveza e paz;
    • Alívio de dores e sintomas de doenças;
    • Regularização da pressão e índices hormonais;
    • Maior clareza mental;
    • Abertura de caminhos, novas possibilidades;
    • Aumento da autoestima e autoconfiança;
    • Consciência maior de si mesmo;
    • Aumento da intuição;
    • Sensação de alegria e bem-estar geral;
    • Curas em todos os níveis;

 

“A Nova Energia é uma flor que nasce dentro de você. Podemos dizer que o acesso a esta energia promove uma aceleração para o estado que somos de verdade: Paz e AMOR.”

Canalizado por Rosangela Emi