image-como-funciona-a-homeopatia
Terapias

Como funciona a Homeopatia?

Conheça a história e funcionamento desta medicina.

icon-share
262 compartilhamentos

A homeopatia é uma especialidade médica reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina. Foi criada por Samuel Christian Hahnemann, um médico alemão (1755-1843).

 

Como nasceu a Homeopatia?

Hahnemann estava descontente com a medicina praticada em sua época: sangrias, purgantes, laxantes, que pareciam prejudicar ainda mais do que curar. Foi assim que resolveu parar de clinicar. Passou a trabalhar como tradutor de livros, uma vez que conhecia grego, latim, hebraico, árabe, caldeu, alemão, inglês, francês, italiano e espanhol.

Foi traduzindo um livro sobre a intoxicação de China officinalis, medicamento que era utilizado para pacientes com malária, que Hahnemann percebeu que os sintomas provocados pela intoxicação com a planta eram semelhantes aos sintomas da doença.

Assim, resolveu tomar uma quantidade de China e observar seu efeito, lembrando os conceitos aprendidos por Hipócrates de que a cura poderia acontecer pela lei dos semelhantes. Passou a ter febres similares à febre causada pela malária e elaborou sua teoria: que os elementos que têm potencial de provocar sintomas em pessoas saudáveis (patogenesia), também têm o potencial de curar pacientes que apresentam sintomas semelhantes, tornando-se medicamentos.

Passou então a fazer experimentos com várias substâncias para conhecer o potencial de cura de cada medicamento. E para não ter intoxicações, diluiu em doses cada vez maiores, infinitesimais que ainda conservavam seu poder curativo. Percebeu que se agitado, o medicamento tornava-se ainda mais eficaz, termo ao qual chamou de dinamização.

Criou assim, os quatro pilares da homeopatia:

  • Medicina dos semelhantes
  • Experimentação no homem são
  • Medicamento único
  • Diluído e dinamizado

 

Afinal, como funciona a Homeopatia?

Cada medicamento apresenta características próprias, sintomas mentais, gerais e locais, cujo conjunto forma a matéria médica de cada remédio.

O médico homeopata busca encontrar o medicamento mais semelhante possível ao jeito de seu paciente adoecer, fazendo perguntas sobre seu humor, medos, desejos, gostos alimentares, traumas, sintomas peculiares, sem induzir o paciente a uma resposta tipo sim ou não. O paciente precisa descrever seus sentimentos e sensações para o qual é estimulado através da pergunta: “O que mais?

Dessa forma, obtém-se um conjunto de sintomas e sinais desse paciente e se faz uma associação dentro da matéria médica, qual medicamento tem maior semelhança em suas características, levando o doente a entrar em equilíbrio e se restabelecer.

No seu livro, Organon da arte de curar, em 1810, Hahnemann descreve no parágrafo 9:

“No estado de saúde, a força vital de natureza espiritual, que dinamicamente anima o corpo material, reina com poder ilimitado e mantém todas as suas partes em admirável atividade harmônica, nas suas sensações e funções, de maneira que o espírito dotado de razão, que reside em nós, pode livremente dispor deste instrumento vivo e são para atender aos mais altos fins de nossa existência.”

A homeopatia é, portanto, a medicina dos semelhantes, cujo medicamento tem que ser individualizado para cada paciente.

O médico homeopata busca na consulta o melhor medicamento, o mais semelhante ao doente em questão e o mesmo deve ser tomado independente do seu diagnóstico, isso é, o mesmo remédio que trata amigdalite, pode tratar infecção urinária, diarréia, entre outras, desde que tenha semelhança com o paciente em sua dinâmica.

Diferentemente da alopatia, a medicina dos contrários. Para a alopatia, se tivermos uma inflamação tomaremos um anti-inflamatório, se tivermos uma febre, um antitérmico, e assim por diante, sendo cada remédio específico para sua doença e não para o doente. São medicinas opostas, com diferentes paradigmas, e, portanto, deveriam ser avaliadas de maneira diversa.

Os trabalhos científicos que estabelecem os usos da alopatia se utilizam do método quantitativo. Mas na homeopatia esse método não se aplica, pois não escolhemos o remédio pela doença, mas sim, pela individualização do doente e sua maneira peculiar de adoecer. Portanto, os trabalhos para avaliação da eficácia da homeopatia devem ser qualitativos.

Um outro ponto controverso na homeopatia, é que suas doses são tão diluídas que quando o fazemos acima do número de Avogadro, encontramos somente água e álcool na avaliação microscópica dessa mistura. No entanto, em comparação ao placebo, sua eficácia é significativamente maior, o que indica que há uma memória na água da substância em questão, que pode ser mineral, animal ou vegetal e conserva seu potencial curativo, apesar de ser invisível ao microscópio. O que provavelmente terá suas comprovações de como funciona através da física quântica, por se tratar de uma energia.

 

As universidades, em sua grande maioria, são 100% alopáticas, de modo que os médicos que se formam, geralmente desconhecem completamente essa forma de medicina (homeopatia). Por essa razão, muitas vezes desencorajam os pacientes a usar seus medicamentos.

Caso o remédio não esteja sendo eficaz, o paciente deve procurar seu médico homeopata e relatar os novos sintomas. Dessa forma, o médico busca um novo medicamento que englobe essas novas características, a fim de equilibrar seu paciente.

A homeopatia é, portanto, uma especialidade médica capaz de tratar doenças agudas e crônicas, desde que não sejam casos cirúrgicos ou que não existam obstáculos à cura. Todo médico deve ter bom senso e conhecer as ferramentas que tem em mão e para que estas servem, de maneira a indicar o melhor método para que seu paciente se restabeleça o mais rapidamente possível e com o mínimo de efeitos colaterais.

 

Como médica pediatra e homeopata, posso afirmar que as crianças respondem muito bem à homeopatia, diminuindo a frequência com que ficam doentes ou se restabelecendo mais rapidamente, bem como, tendo melhor qualidade de sono, ficando menos irritadiças e mais felizes.

Deseja saber mais sobre a Homeopatia? Deixe suas perguntas nos comentários! 🙂

guia-da-alma-ana-tirloni

Ana Lucia Schmidt Tirloni

Médica formada pela Universidade Federal de Santa Catarina. Especialização em Pediatria no Hospital Universitário da Universidade Federal de Santa Catarina. Especialização em Homeopatia pela Fundação Benoit Mure em Santa Catarina. Trabalha na Clínica Pediátrica Crescer, em Florianópolis - SC.

Deixe seu comentário e contribua com a troca

O Guia da Alma é o Portal que conecta pessoas e Terapeutas para uma vida mais leve com Terapia Holística e Integrativa online ou presencial em todo Brasil!

Descubra também o Autoconhecimento, Espiritualidade e Bem-estar no conteúdo original do nosso blog!

Receba o Guia da Alma no seu e-mail!

Conteúdo para a sua evolução de consciência.

As Terapias Holísticas e Integrativas são complementares à medicina alopática, e não devem substituir nenhuma consulta e/ou tratamento médico.
Atenção: este site não oferece tratamento ou aconselhamento imediato para pessoas em crise suicida.
Em caso de crise, ligue para 188 (CVV) ou acesse o site www.cvv.org.br. Em caso de emergência, procure atendimento em um hospital mais próximo.

Política de Privacidade | Termos de Uso
Copyright © 2018 Guia da Alma. Todos os direitos reservados.
Feito com Luz e Amor em Florianópolis!